domingo, 5 de junho de 2016

Vinhos brancos biológicos

Vinhos biológicos, uma moda ou uma tendência que veio para ficar?


Os vinhos biológicos não surgiram agora, alías, há vários anos que alguns produtores produzem vinhos biológicos, de norte a sul do país. Lá fora, há algum tempo que os bio agitam o mercado, cá dentro, parece que agora começam a dar que falar.

Mas afinal, o que são vinhos biológicos? De uma forma simples, trata-se de vinhos certificados por entidades autorizadas, que atestam que os vinhos foram produzidos de acordo com um conjunto de regras específicas, nomeadamente a não utilização de químicos na vinha (agricultura biológica) e uma intervenção minimalista na adega, sem utilização de produtos enológicos, sendo apenas permitida a utilização de sulfuroso mas em quantidades mais baixas do que nos vinhos convencionais. Mas isto torna os vinhos melhores? Nada como reunir um painel de vinhos biológicos, neste caso exclusivamente brancos pois agora é a época forte deles, e provar se há diferenças face aos vinhos "convencionais".

Seleccionei vinhos de várias regiões (Algarve, Beira Interior, Dão, Lisboa e Vinho Verde), de norte a sul do país, de vários preços e de produtores de várias dimensões, para que a amostra seja o mais variada possível e o mais representativa da realidade do nosso país vitivinicola.

- Monte da Casteleja branco 2014 Clássico
Regional Algarve | Arinto e Perrum | 14.5% | PVP: 7.15€
Cor amarela, com nota cítrica, ligeiramente turvo mas cheio de brilho. Pouco aromático, notas florais, sugestão mineral e de toranja. Encorpado, ligeiramente rústico na boca, é um branco seco e fresco, com alguma toranja, ligeiro amargo e alguma cremosidade.



Casa de Mouraz branco 2014 Encruzado
DOC Dão | Encruzado | 12% | PVP: 8.90€
Cor cítrica, aberta, a caminhar para o amarelo. Aromático, vegetal, fruto seco tipo noz e alguma erva tipo lúcia-lima. Cremoso, fresco, com um toque vegetal mas saboroso, um branco com boa boca embora um pouco curto de persistência, é seco, com um toque de fruto cítrico, um vinho equilibrado, muito agradável e bem desenhado.



- Quinta do Cardo branco 2015 Síria
DOC Beira Interior | Síria | 13.5% | PVP: 4.90€
Cor cítrica, pouco aromático, com sugestões de tangerina e maçã verde. Corpo médio, frescura crocante, seco e com ligeira sensação mineral, com bom comprimento e boa persistência. Ainda muito jovem, com alguma rusticidade, mas correcto e a bom preço.



- Cepa Pura branco 2015 Fernão Pires
Regional Lisboa | Fernão Pires | 14% | PVP: 6.30€
De cor amarela com ligeiro tom esverdeado, com aroma de fruta amarela e ligeira sensação de resina, num conjunto agradável. Encorpado, ligeiramente cremoso, frutado e com boa frescura. Um branco muito equilibrado, macio, boa boca e alguma persistência, com final em harmonia. Bom preço, fácil de se consumir apesar de ainda ser um pouco jovem, agradável e consensual.



- Quinta das Alvaianas branco 2015 Alvarinho
DOC Vinho Verde - Monção e Melgaço | Alvarinho | 13.5% | PVP: 8.75€
Amarelo com tom cítrico, aromático, fruta fresca com notas cítricas e de alperce. Um pouco rústico, muito fresco, intenso, amplo e boa persistência, com final fresco, ligeiramente cítrico (toranja) e com algum alperce. Um branco seco, fresco, muito agradável mas ainda muito jovem.



De uma forma geral, não consigo dizer que são vinhos de qualidade superior ou inferior. Também não posso dizer que, só por serem bio, que são mais caros que os convencionais. O que consigo atestar é que alguns destes vinhos me deram muito prazer a beber, e que fui agradavelmente surpreendido em termos aromáticos e de sabor por três dos cinco vinhos provados. Melhores? Diria que não! Piores? Também não me parece!. Se tenho um nível similar em termos de qualidade e preço, e com menos químicos, porque não experimentar...

#avinhar

1 comentário:

  1. o monte da casteleja tinto é superior ao branco. muito bom.

    ResponderEliminar